Pesquisar este blog

Carregando...

Me siga no Facebook

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Desça da Árvore


DESÇA DA ÁRVORE

 

         Muita gente conhece a parte da história de Zaqueu em que ele sobe numa árvore, numa "figueira brava", num "sicômoro", árvore, segundo estudiosos[1], nativa da África e naturalizada em Israel e Egito; uma árvore que pode crescer bastante e de folhas verde-escuras em formato de coração. A história está em Lucas 19.1-10:

 

“E, tendo Jesus entrado em Jericó, ia passando. E eis que havia ali um homem, chamado Zaqueu; e era este um chefe dos publicanos e era rico. E procurava ver quem era Jesus e não podia, por causa da multidão, pois era de pequena estatura. E, correndo adiante, subiu a uma figueira brava para o ver, porque havia de passar por ali. E, quando Jesus chegou àquele lugar, olhando para cima, viu-o e disse-lhe: Zaqueu, desce depressa, porque, hoje, me convém pousar em tua casa. E, apressando-se, desceu e recebeu-o com júbilo. E, vendo todos isso, murmuravam, dizendo que entrara para ser hóspede de um homem pecador. E, levantando-se Zaqueu, disse ao Senhor: Senhor, eis que eu dou aos pobres metade dos meus bens; e, se em alguma coisa tenho defraudado alguém, o restituo quadruplicado. E disse-lhe Jesus: Hoje, veio a salvação a esta casa, pois também este é filho de Abraão. Porque o Filho do Homem veio buscar e salvar o que se havia perdido.” (Lucas 19:1-10 RC)

 

         A história contém muitos elementos bem interessantes. Vejamos alguns deles:

 

         1) Zaqueu era um publicano, o chefe deles em Jericó – Um publicano era um cobrador de impostos para o império romano.

         2) Zaqueu era um publicano em Jericó – Segundo Buckland em o Dicionário Bíblico Universal, Editora Vida, 1981, citado no artigo "Publicano", na Wikipédia, havia duas espécies de publicanos: Os publicanos gerais, que eram responsáveis pela renda do império perante o imperador romano e os publicanos delegados por estes em cada província. Pois bem, Zaqueu era um publicano em Jericó, o chefe dos que estavam em Jericó. Jericó era uma cidade de certa importância e por onde circulava certa riqueza – a produção e exportação do bálsamo, usado, dentre outros, na cura de feridas, era centralizada em Jericó.

         3) Zaqueu, por ser publicano, não era bem quisto pelo povo em geral de Jericó – Um publicano, como já disse, era um cobrador de impostos. Acontece que eles tinham fama de ser ladrões, extorsionários, e, por isso, eram odiados pelos judeus. Não é assim também hoje com os políticos corruptos? O povo brasileiro em geral gosta deles? Qual é a vontade do povo brasileiro senão que eles sejam presos e tenham seus bens, frutos da corrupção, confiscados?

         4) Zaqueu, sendo chefe dos publicanos em Jericó, e sendo Jericó uma cidade por onde circulava certa riqueza, naturalmente era muito rico.

 

         Bem, tudo isso, e outras coisas mais que poderíamos destacar são bem "interessantes", mas o mais interessante, pelo menos para mim, é "como Zaqueu subiu na árvore e como desceu".

         Como Zaqueu subiu na árvore? – Zaqueu subiu na árvore provavelmente como um curioso. Ele queria ver Jesus, aquela personalidade que tanto alvoroço estava causando por onde passava por causa de seus ensinamento e das maravilhas que operava.

         E como é que ele desceu? – Desceu como um homem que estava disposto a renunciar o que preciso fosse e entregar-se completamente à vontade de Jesus.

         Bem, hoje em dia há muitas pessoas com atitudes semelhantes à de Zaqueu, ao subir na árvore, em relação a Jesus, isto é, pessoas que, de certa forma, se aproximam de Jesus, mas por motivos outros que não uma verdadeira fé nele.

 

Ø  Há muita gente curiosa, como provavelmente Zaqueu;

Ø  Há muita gente que tem uma certa simpatia por Jesus, como Nicodemos antes de compreender que era-lhe necessário nascer de novo;

Ø  Há muita gente que tem interesse por aquilo que Jesus lhes pode oferecer, como as pessoas em João 6 que foram atrás da "comida que perece" e como nove dos dez leprosos curados por Jesus...

Ø  E há até aqueles que parecem estar perto de Jesus quando na verdade estão bem longe – podem até ser líderes de igrejas, mas seu interesse é "roubar as ovelhas", com Judas Iscariotes. Quanto a estes não nos faltam alertas na Bíblia, sendo algumas deles:

 

MAS, NAQUELES DIAS também havia falsos profetas, tal como haverá falsos mestres entre vocês. Estes contarão com habilidade as suas mentiras sobre Deus, até mesmo voltando-se contra o seu próprio Senhor, que os comprou; porém o fim deles será repentino e terrível. Muitos seguirão seus ensinos funestos, de que não há erro nenhum no pecado sexual. E por causa deles Cristo e o seu caminho serão escarnecidos. Estes mestres, em sua ganância, dirão qualquer coisa para se apossarem do dinheiro de vocês. Mas Deus já os condenou há muito tempo e a destruição deles está a caminho. (2 Pedro 2.1-3 – Bíblia Viva)

 

Porque se levantarão falsos Cristos, e falsos profetas que farão milagres maravilhosos, de tal maneira que, se possível, até os escolhidos de Deus seriam enganados. (Mateus 24.24 - Bíblia Viva)

 

         Ser como "esse" Zaqueu, o de antes da conversão, é extremamente perigoso e prejudicial. É preciso ser não como o Zaqueu que subiu na árvore, mas como o Zaqueu que desceu, um Zaqueu verdadeiramente convertido, totalmente consagrado a Jesus e totalmente despojado, desprendido de tudo, se e que necessário for por amor a Jesus, para seguir a Jesus.

 

         Você quer ter uma "vida em abundância", aquela que Jesus disse que veio para nós termos? Então faça como Zaqueu: "Desça da árvore".

 

Pr. Walmir Vigo Gonçalves

Muqui, Julho de 2014

www.prwalmir.blogspot.com.br

www.igrejabatistaemmuqui.blogspot.com.br

igreja.batista.muqui.primeira@gmail.com



[1] http://botanicabiblica13.blogspot.com.br/2008/09/sicomoro.html

sexta-feira, 25 de julho de 2014

"EU SOU A UNIVERSAL"


"EU SOU A UNIVERSAL"

Pr. Walmir Vigo Gonçalves

Escrito para o boletim da Igreja Batista em Muqui

Já viu essa propaganda onde uma pessoa aparece contando sua experiência de como foi abençoada e depois termina dizendo "Eu sou a Universal"? Pois é! De certa forma, conquanto eu discorde de algumas práticas da Igreja Universal do Reino de Deus, tenho que admitir que, nessa propaganda, o fato de a pessoa se identificar desse jeito com a referida igreja, ao final, me traz algumas lições. Quando ele diz "Eu sou a Universal" ele está declarando que "vive a vida dessa igreja", veste decididamente a "camisa" da igreja; então, ele mesmo, porque ele é a igreja, contribui financeiramente para o desenvolvimento das atividades da igreja; contribui com o seu trabalho para o crescimento da igreja – evangelizando, admoestando, chamando de volta aqueles que um dia saíram, servindo como conselheiro, discipulador, zelador... enfim, fazendo o que preciso for e que estiver ao seu alcance, PORQUE ELE É A UNIVERSAL. Os outros que lá estão também são, obviamente, mas ele assumiu o fato, na teoria e na prática, de que ELE É. Pois bem, lições são para serem aprendidas, e depois de aprendidas, praticadas. Então, quero declarar, como eles, que EU SOU A IGREJA BATISTA; mais especificamente, EU SOU A IGREJA BATISTA EM MUQUI, e, portanto, eu vou evangelizar de alguma forma mesmo quando não houver uma atividade específica para isso; eu vou admoestar os idosos, porém não asperamente, mas como se eles fosses meus pais, e aos jovens como se fossem meus irmãos, porque é assim que a Bíblia me orienta (1 Timóteo 5); eu vou, na medida do possível, tentar resgatar aqueles que um dia saíram de nosso meio, mesmo que eu não seja comissionado formalmente pela igreja para isso; eu vou trabalhar como conselheiro e discipulador daqueles que forem se convertendo, especialmente se a conversão se deu em parte através de meu trabalho; eu vou zelar pelo patrimônio; eu vou contribuir financeiramente; eu vou visitar, especialmente os idosos e enfermos, para orar com eles; eu vou ser assíduo frequentador das reuniões de culto; eu vou zelar, no que me diz respeito, pelo bom testemunho da igreja; eu vou receber bem os visitantes que vierem aos cultos; eu vou orar pelos meus irmãos em Cristo, especialmente aqueles que junto comigo constituem a Igreja Batista em Muqui... EU VOU fazer o que eu puder para ajudar a igreja crescer numérica e espiritualmente, seja eu comissionado formalmente ou não, porque EU SOU A IGREJA BATISTA EM MUQUI. Eu sei que "eles", isto é, "vocês", também são, mas hoje EU estou assumindo o fato de que EU SOU, e porque EU SOU, então EU estou vestindo a camisa da IGREJA BATISTA EM MUQUI. Se ela acertar EU estou acertando, ainda que a glória seja de Deus e não minha; e se ela errar EU estou errando e vou me arrepender e orar pedindo perdão a Deus, porque EU SOU a Igreja Batista em Muqui.

E você?... Você é?...

Pr. Walmir Vigo Gonçalves

Muqui – Julho de 2014

quarta-feira, 16 de julho de 2014

VIDA ABUNDANTE – VOCÊ QUER?

 

VIDA ABUNDANTE – VOCÊ QUER?

 

“... eu vim para que tenham vida e a tenham com abundância.” (João 10:10 RC)

 

1.   Jesus disse, e João registrou no verso 10 do capítulo 10 de seu evangelho, que "O ladrão não vem senão a roubar, matar e destruir; eu vim para que tenham vida e a tenham com abundância".

2.   Pensemos na primeira afirmação: "O ladrão não vem senão a roubar, matar e destruir..."

a.   Não é esta uma verdade facilmente verificável? Você conhece algum ladrão que, na qualidade de ladrão, exercendo a função de ladrão, entra sorrateiramente em uma casa de família, em uma casa de comércio ou aborda alguma pessoa na rua sem ser para roubar?...

b.   O ladrão vem para roubar! Ele pode até não conseguir, mas ele vem com esse objetivo.

c.    E o ladrão, que vem para roubar, também tem disposição para matar...

d.   E ele também não se importa de destruir – destruir os sonhos, destruir a alegria de viver, transformar a vida do outro em uma vida miserável...

3.   Então, tome cuidado com o ladrão!

4.   Mas o ladrão aqui não é o ladrão comum, que rouba coisas materiais. Não! O ladrão a que Jesus se refere é muito pior e rouba coisas muito mais preciosas sobre as quais vamos nos referir nessa mensagem.

5.   Tome cuidado com esse ladrão, muito mais do que com o outro.

6.   Em contraste a isso, ao fato de que o ladrão vem para roubar, Jesus disse que Ele veio para que nós tenhamos vida, e vida em abundância. O ladrão vem para "tomar para ele" aquilo que não lhe pertence, mas Jesus veio nos "doar", para nos "acrescentar".

7.   Jesus nos quer dar vida em abundância; você quer esta vida? Então preste atenção em algumas orientações.

 

I. É PRECISO FUGIR DO LADRÃO

 

1.   Aurélio Buarque de Holanda em seu famoso dicionário define fugir como "desviar-se, ou retirar-se apressadamente, para escapar a alguém ou a algum perigo". Há outras definições no mesmo dicionário, e uma bem interessante é "ir-se afastando; ir-se perdendo de vista".

2.   Afastar-se para longe, até não poder nem ver mais – é uma excelente recomendação, principalmente quando pensamos em "ladrão" não de forma comum, não como aquele que nos rouba um relógio, mas como aquele que nos rouba a alegria de estar na presença de Deus interessados somente em Deus e nada mais, ou, pelo menos a alegria de estar inteiramente satisfeitos em Deus de forma que se nada mais nos for dado continuamos felizes, ainda que queiramos outras coisas.

3.   Fuja desse ladrão! Afaste-se para bem longe! Perca-o de vista!

4.   Quem pode ser este ladrão de que Jesus fala?

a.   Ladrão aqui é o falso mestre cujo interesse não é o bem estar das ovelhas, e sim o seu próprio bem estar – Ele as rouba, e, se precisar, mata e destrói.

                                 i.    Leia Tito 1.1-14. Observe o final do verso 11 – ensinam coisas que não convém por *torpe ganância* / *estão apenas atrás do dinheiro de vocês* (Bíblia Viva) / *intenção vergonhosa de ganhar dinheiro* (NTLH).

                                ii.    João também, em sua segunda carta alertou para o fato de já naquela época existirem enganadores.

                               iii.    Pedro, em sua segunda carta, capítulo 2, alerta dizendo que se introduzirão falsos profetas e que estes, "por avareza, farão negócio de vós", isto é, "em sua ganância dirão qualquer coisa para se apossarem do dinheiro de vocês" (Bíblia Viva), ou: "vos farão de mercadoria com palavras falsamente inventadas" (Bíblia livre).

                              iv.    Agora veja o interessante texto de Mateus 24:24 – os falsos também operam sinais e prodígios (veja também 2 Tessalonicenses 2.1-9).

                               v.    Pastor, o que você está sugerindo? Está sugerindo que "tal e tal" grupo/igreja, é falso(a)? Não! O que eu estou sugerindo é que você estude a bíblia tenha senso crítico para não ser enganado e "roubado". Se constatar que alguém é "falso mestre", "ladrão", fuja dele! Perca-o de vista!

b.   Ladrão aqui é o falso ensino, que nos afasta de Deus

                                 i.    No próximo ponto veremos um pouco mais detalhado sobre isso.

c.    Ladrão aqui é o próprio Satanás

                                 i.    Satanás é o "ladrão por excelência"; o "ladrão" que está por trás de todos os "ladrões", e ele é astuto, ele é um exímio "batedor de carteiras", não no sentido de ser pouco ofensivo, mas no sentido de ser sutil – se você ficar desatento ele lhe rouba e você só se dá conta "mais adiante". Sutilmente ele rouba a sua fidelidade a Deus, e na sequência vai roubando seus bens, sua saúde, sua comunhão com a igreja, sua disposição de trabalhar para o Reino de Deus, sua família, sua alegria de viver e talvez até sua própria vida.

5.   Fuja! Fuja desses ladrões! Se você quer ter vida abundante fuja desses ladrões!

 

II. É PRECISO ENTRAR NO REINO DE DEUS PELA PORTA, E A PORTA É JESUS

 

1.   "Eu sou a Porta das ovelhas", disse Jesus.

2.   A porta é Jesus, unicamente Jesus, mas tem muita gente querendo entrar por "janelas", muitas vezes vítimas do ladrão "falso ensino", e quem entra pela janela não é "parte da casa", antes, é "ladrão e salteador". Quais são algumas dessas janelas? Vou citar 3:

a.   A janela "igreja/religião" – Veja o que Jesus diz em Mateus 7:22-23 – Ora, onde estão os que tais coisas fazem senão na "igreja/religião". Entendam que não estou menosprezando a igreja ou a religião – longe de mim tal coisa! – mas a porta para o Reino de Deus não é a igreja ou a religião. A igreja, enquanto instituição, é agência do Reino de Deus neste mundo, mas não é ela quem nos põe "dentro do Reino". Todo o que está no reino de Deus é parte da igreja organismo vivo, corpo de Cristo; mas, mesmo quem não está no Reino de Deus pode estar fazendo parte da igreja enquanto instituição. Se você quer ser integrante do Reino de Deus você precisa entrar pela porta, e a porta é JESUS, unicamente Jesus.

b.   A janela "boas obras" – Quem não faz boas obras? Todos fazemos! Todas as igrejas fazem! O problema é que há aqueles que fazem pensando que elas funcionam como uma espécie de "pontuação para salvação" diante de Deus. Mas não é assim que aprendemos na Palavra de Deus. Escrevendo aos Efésios, no capítulo 2, verso 10, Paulo exalta as boas obras dizendo que Deus de antemão as preparou para que aqueles que são de Cristo andassem nelas. O termo "boas", que dá qualidade às obras nesse texto, vem de um termo grego que nos faz entender por "boas obras" toda realização "de boa constituição ou natureza, útil, saudável, agradável, amável, alegre, feliz, excelente, distinta, honesta, honrada" (strongs). Essas realizações, diz Paulo, devem fazer parte do contexto de vida daqueles que servem a Cristo; entretanto, diz ele um verso antes, a salvação não vem dessa realizações, e mais um verso antes ele diz que a salvação é fruto da graça de Deus. E ademais, quantas dessas realizações nos seriam necessárias para "comprar" o céu?. Boas obras não é A Porta. A Porta é única e exclusivamente JESUS.

c.    A janela "pessoas que elegemos como mediadores entre nós e Deus" – Bem, igreja e boas obras são coisas boas; não nos salvam, mas são coisas boas. O mesmo não podemos dizer acerca de eleger pessoas como mediadoras entre nós e Deus. Isso é totalmente antibíblico! Não estou falando de orações simples que fazemos uns pelos outros; estou falando de eleger alguém como aquele que será o meu "Mediador"; Mediador é aquele que "fica entre dois", no caso, entre "eu e Deus". Nesse sentido, a Palavra de Deus nos diz que só tem um: JESUS CRISTO. Está lá em 1 Timóteo 2.5. Por mais que eu goste de Pedro, Paulo, João, Tiago, Tomé e outros mais que foram e são grandes servos de Deus, e os respeite, não posso elegê-los como meus mediadores, pessoas que por sua mediação me ajudarão a entrar no Reino de Deus. Quando o Carcereiro de Filipos (Atos 16) perguntou a Paulo e Silas sobre o que fazer para ser salvo, para entrar no Reino de Deus, portanto, foi-lhe respondido que ele precisava crer em Jesus. A Porta é Jesus. É como se Paulo lhe tivesse dito: "Não posso lhe colocar lá dentro; você precisa adquirir a sua entrada", e então o carcereiro lhe tivesse perguntado como adquirir e qual o preço, para ouvir a resposta: "Crê no Senhor Jesus, esse é o preço; entre por Ele, Ele é a Porta". Se você quer ser integrante do Reino de Deus você precisa entrar pela porta, e a porta é JESUS, unicamente JESUS.

3.   Você quer ter a vida abundante que Jesus oferece? Então fuja do ladrão e entre no Reino de Deus pela Porta – a Porta é JESUS, única e exclusivamente Jesus.

4.   Passemos adiante. Agora você já compreendeu o Plano de Deus, já sabe que a Porta é Jesus, já entrou por ela, já está no Reino de Deus, então:

 

III. OUÇA A VOZ DO BOM PASTOR – UMA VEZ ESTANDO NO REINO É PRECISO ESTAR ATENTO À VOZ DO BOM PASTOR.

 

1.   E quem é O Bom Pastor? – Jesus é o Bom Pastor.

2.   No momento em que você vacilar algo pode acontecer e interromper, pelo menos sob certos aspectos, essa abundância.

3.   Essa abundância prometida por Jesus provém de uma fonte, que é Ele mesmo, que flui na direção das verdadeiras ovelhas outorgando-lhes vitalidade, energia espiritual, transformação de dentro para fora, alegria e uma série de outras coisas mais que tornam a vida "brilhante". Mas, se deixamos de ouvir a voz do Bom Pastor por um momento, esse fluxo pode ser cortado e a abundância parecer esvair-se, ainda que temporariamente.

a.   Aconteceu com Davi – Veja o Salmo 51, um Salmo escrito por Davi como confissão de pecado, pedido de perdão e de restauração do espírito reto e da alegria da salvação.

b.   Aconteceu com Pedro – Ele que estava "animado" ao lado de Jesus, o negou, e quando percebeu, a amargura tomou conta de seu coração e ele chorou copiosamente;

c.    Aconteceu com alguns irmãos da igreja de Corinto a quem Paulo tentou abrir os olhos para o fato de que muito do que acontecia de ruim entre eles era fruto de pecado, fruto de deixar de ouvir a voz do Bom Pastor.

d.   E tem acontecido com muitos. Ouvi o testemunho de um que, voltando à comunhão da igreja, disse: "perdi 23 anos de minha vida".

4.   Esteja atento à voz do Bom Pastor. Não vacile um segundo sequer; mas se vacilar, se pecar, ore imediatamente a Cristo e fale com ele sobre seu pecado e peça perdão.

 

CONCLUSÃO

 

1.   "Eu vim para que tenham vida, e a tenham em abundância", disse Jesus. Você quer esta vida? Então:

a.   Fuja do "ladrão";

b.   Entre pela Porta;

c.    Ouça a voz do Bom Pastor.

2.   Obviamente que há muitas coisas neste mundo que são capazes de "alegrar" a vida de alguém, mesmo que ele talvez até descreia totalmente de Deus, mas é "abundância temporária". Jesus fala, por parábola, de um certo homem rico que vivia sua vida "esplêndida e regaladamente", mas que quando morreu foi para o lugar de tormento – findou-se a abundância. A outro, que também era rico e fazia planos para "aproveitar" a vida com a abundância de suas riquezas, foi informado que aquele era seu último dia e que, conquanto tinha tudo preparado para esta vida, nada havia preparado para a "outra vida" – findou-se a abundância.

3.   Vida verdadeiramente abundante e que não se finda com o findar da realidade terrena só tem quem a Jesus pertence; quem não se deixa roubar pelos falsos mestres, pelos falsos ensinos e por satanás; quem deixa de lado as "janelas" e entra no Reino de Deus pela Porta, a única, que é Jesus; e quem, uma vez estando no Reino de Deus, está atento à voz do Bom Pastor, disposto a obedecer-lhe em tudo, ainda que isso lhe custe a própria vida.

 

Pr. Walmir Vigo Gonçalves

Muqui – Julho de 2014 Por ocasião da campanha de oração "por uma vida mais abundante"

 

segunda-feira, 30 de junho de 2014

A Igreja de Deus Deve Viver em Santidade


A IGREJA DE DEUS DEVE VIVER EM SANTIDADE

I Coríntios 1:1-9

 

1.   O apóstolo Paulo era um homem completamente dominado e guiado pelo Espírito Santo de Deus. E não era prá menos! Afinal, ele era um apóstolo de Jesus Cristo, e o era não por sua própria idealização, e, sim, porque ele fora chamado por Deus para isso. O evangelista Lucas, que também escreveu o livro de Atos, nos dá conta de que após a conversão de Saulo (Paulo), um homem de nome Ananias teve uma visão na qual o Senhor lhe ordenava ir orar por Saulo. Ananias questionou, porque estava com medo, porque soubera que este Saulo fora um perseguidor de cristãos, e até consentia na morte dos mesmos. Porém o Senhor lhe disse: “Vai, porque este é para mim um vaso escolhido para levar o meu nome diante dos gentios, e dos reis, e dos filhos de Israel.” (Atos 9:15 RC)

2.   Depois, em Gálatas 1:15 e 16, o próprio Paulo diz que Deus o separara desde o ventre de sua mãe, ainda que o tivesse chamado só depois, quando Lhe aprouve revelar nele Seu Filho Jesus Cristo.

3.   Por ser completamente dominado e guiado pelo Espírito Santo de Deus, Paulo era um homem que tinha uma visão aguçada da realidade das igrejas, e, quando lhes escrevia, escrevia com propósitos definidos. Até mesmo nas saudações, nas primeiras linhas de suas cartas, podemos perceber objetivos bem definidos. E isso é o que acontece nesta carta aos Coríntios:

a.   A igreja estava passando por dificuldades sobre ‘de quem eles eram’, o que gerava divisões internas, e ele introduz já enfatizando que a igreja é de Deus.

b.   A igreja estava inserida em um contexto de elevada corrupção moral, e alguns estavam se deixando contaminar por isso, e, já na introdução, ele enfatiza que a igreja de Deus é composta de ‘santificados em Cristo Jesus’.

c.   E também ele enfatiza, na sua introdução, que a vontade de Deus é que a sua igreja seja irrepreensível, e também que a igreja possui uma determinada riqueza vinda de Cristo, o que deveria eliminar alguns dos problemas pelos quais eles passavam.

4.   Vamos estudar um pouco sobre essas questões.

 

I. A IGREJA É DE DEUS – V. 2.

 

1.   De quem é esta igreja?

2.   Esta igreja não é a igreja do Pr. Walmir, ou a igreja do irmão “fulano de tal”, como muitas vezes dizemos. É óbvio que, quando assim nos expressamos, trata-se apenas de uma maneira de falar, significando o lugar onde determinada pessoa congrega. Nesse sentido a igreja até pode ser a “igreja do irmão tal”, ou a igreja de “fulano”.

3.   Mas há casos em que, penso eu, pessoas imaginam que determinada igreja pertence de verdade a alguém em particular. E o pior é quando alguém pensa que a igreja pertence a ele. Paulo, ao escrever aos Coríntios, tinha como uma de suas intenções esse tipo de problema (o primeiro tipo). Confira essa verdade em 3:1-9. E é certamente por isso que ele começa esta carta dizendo: “Paulo ... e o irmão Sóstenes, à IGREJA DE DEUS que está em Corinto”.

4.   Jesus disse: “Edificarei a MINHA IGREJA”. A igreja é de Deus, a igreja é de Jesus. Foi Jesus quem a edificou. Ela é composta de pessoas que foram compradas por Jesus com o seu sangue. Efésios 5.25 diz que “...Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela”.

5.   Essa igreja não é sua, e nem minha. Essa igreja é de Deus!

 

II. A IGREJA É COMPOSTA DE “SANTIFICADOS EM CRISTO” – V. 2

 

1.   É muito significativo o fato de Paulo haver chamado a igreja de Deus que estava em Corinto de “Santificados em Cristo”.

2.   A cidade de Corinto era, na época de Paulo, uma cidade famosa, dentre outras coisas, por causa de sua grande corrupção moral.

a.   Seu comércio promovia a cobiça;

b.   Seus cultos pagãos promoviam a concupiscência;

c.   Em sua adoração pagã havia o emprego da prostituição, e um grande número das religiosas de Corinto eram prostitutas cultuais profissionais. Estrabão revela-nos que havia mil prostitutas religiosas oficiais associadas aos cultos religiosos daquela cidade, que tinha por principais divindades a “Mãe Suprema”, “Melcarte”, “Serápis”, “Ísis” e “Afrodite”. Esse pecado era tão forte em Corinto que deu origem a expressões como “corintianizar”, que tinha o sentido de iniciar-se em práticas imorais. Também a expressão “donzela coríntia” simbolizava essa iniciação. E ainda a expressão “enfermidade coríntia” indicava os resultados venéreos desses pecados de imoralidade. (CHAMPLIN, R. N. – O Novo Testamento Interpretado Versículo por Versículo, volumes 3 e 4, décima reimpressão, São Paulo, editora Candeia, 1998.)

3.   Paulo, então, diz aos crentes de Corinto: Vocês, crentes que vivem nesse lugar terrível onde a imoralidade é algo normal, é a ‘última moda’, atrai os turistas... não se esqueçam que vocês não devem se deixar influenciar, porque vocês são os “santificados em Cristo Jesus”. Todo o restante do povo, e também os turistas “podiam” participar daqueles pecados, mas os crentes eram pessoas separadas e que deviam se dedicar às coisas santas do Senhor.

4.   O mesmo se aplica a nós. No país em que vivemos há muitas coisas que são “normais” e outras que estão caminhando para lá, mas que são erradas diante do Senhor, coisas pelas quais não devemos nos deixar influenciar.

5.   Não podemos esquecer que nós somos os “santificados em Cristo Jesus”, o povo que se dedica não ao erro, e sim, às coisas santas do Senhor. De quase tudo neste mundo podemos participar, mas há certos limites que devemos observar.

6.   Você pode participar da vida social, pode participar da vida esportiva, pode participar de festas, pode namorar se é livre e desimpedido, pode acompanhar a moda, pode se integrar na cultura de uma localidade, pode se dedicar para conquistar uma qualidade de vida um pouco melhor ou até "muito" melhor, pode conversar sobre todos os assuntos, pode ser humorista, pode contar piada... mas em tudo existe um limite que você, como servo do Senhor, precisa observar. Obviamente que limites existem para todos, mas em muitos casos, para o servo do Senhor, o limite, o "ponto" de onde ele não deve passar, é "mais pra cá" do que o limite das outras pessoas. No namoro, por exemplo, não é contra a lei dos homens a prática do sexo, mas é contra a lei de Deus; no humor e nas piadas, pela lei dos homens se pode ir muito mais longe do que podemos pela lei de Deus; e, para citar só mais um exemplo, no que respeita à moda de se vestir, podemos até "acompanhar", mas o limite é "bem pra cá" do limite observado pela sociedade em geral.

7.   Isso, se somos "santificados em Cristo". Somos???

 

III. A IGREJA DE DEUS É ENRIQUECIDA EM CRISTO JESUS – V. 5

 

1.   Há muitas pessoas que vêm para a igreja hoje em dia motivadas pela crença de que vão encontrar nela a tão sonhada prosperidade (material). E a própria igreja é responsável por isso. A igreja prega isso e mostra alguns exemplos de pessoas que conseguiram a prosperidade material, mas se esquece de que a grande maioria dos crentes não é tão próspera assim, materialmente falando. E isso até gera uma certa discriminação por parte de alguns para com outros.

2.   Os “melhores crentes” que já existiram e existem na face da Terra não foram e não são tão “prósperos” assim.

a.   Pedro e João não tinham ouro, e nem prata (Atos 3.6).

b.   Paulo não escondia o fato de que ele fora um homem experimentado nas privações (Fl. 4.12).

c.   Estêvão, ao invés de “enriquecer”, morreu apedrejado (Atos 7.60).

d.   Os crentes das igrejas da Macedônia, que receberam o elogio de Paulo em II Coríntios 8 por causa de sua liberalidade e pelo fato de que haviam se dado ao Senhor, eram pessoas que viviam, nas palavras de Paulo, “em profunda pobreza”.

3.   Não obstante a isso, a igreja de Deus é composta pelas pessoas mais ricas da face da Terra, porque rico não o é quem apenas possui dinheiro; rico é aquele sobre quem a graça de Deus em Cristo Jesus é derramada abundantemente.

a.   Pedro e João não tinham ouro, e nem prata, mas eles tinham algo muito mais valioso: a graça de Deus repousava sobre eles, inclusive conferindo-lhes poder para levantar um paralítico.

b.   Paulo era um homem experimentado nas privações, mas a graça de Deus estava sobre ele e o fortalecia, e, mesmo em meio às dificuldades ele tinha palavras como as seguintes: “Porque para mim tenho por certo que as aflições deste tempo presente não são para comparar com a glória que em nós há de ser revelada.” (Romanos 8:18 RC) / “E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados por seu decreto.” (Romanos 8:28 RC) / “Que diremos, pois, a estas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós?  Aquele que nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes, o entregou por todos nós, como nos não dará também com ele todas as coisas?” (Romanos 8:31-32 RC) / “Porque estou certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir,  nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor!” (Romanos 8:38-39 RC)

c.   Estêvão, ao invés de enriquecer, morreu apedrejado, mas no momento de sua morte ele estava vendo o céu aberto e Jesus assentado à direita do Pai, e, com convicção, ele pôde expressar-se: “Senhor Jesus, recebe o meu espírito”.

d.   As igrejas da Macedônia viviam em “profunda pobreza”, mas a graça de Deus estava sobre elas, e elas possuíam alegria em abundância e riquezas de generosidade.

4.   Paulo diz à igreja de Deus que estava em Corinto que ele não cessava de agradecer a Deus por eles, porque a graça de Deus lhes havia sido dada em Cristo Jesus, e em tudo eles haviam sido enriquecidos. E Paulo cita três grandes riquezas que eles possuíam:

a.   Palavra – o que indica a capacidade para transmitir a verdade;

b.   Conhecimento – o que indica a capacidade de apreensão da verdade;

c.   Dons – nenhum Dom lhes faltava, inclusive os dois acima citados.

5.   Eles eram ricos! Mas eles eram ricos porque Cristo os havia tornado ricos. Eles eram orgulhosos de sua riqueza como se ela lhes fosse natural, e Paulo então tenta corrigir isso, lembrando-lhes de onde provinha a riqueza deles.

 

IV. DEUS DESEJA QUE SUA IGREJA SEJA IRREPREENSÍVEL – V. 8

 

1.   Deus quer que sua igreja seja irrepreensível, e esse é um dos motivos de Ele nos deixar a Sua Palavra. Paulo diz a Timóteo, sobre a Escritura, que ela é inspirada por Deus, e, como tal, é útil para o ensino, para a repreensão e para a instrução na justiça, visando o aperfeiçoamento do homem de Deus.

2.   A Palavra de Deus é o nosso norte espiritual, mas é preciso ouvi-la e obedecê-la. Quem assim não age, nas palavras de Jesus, é semelhante a um homem tolo que constrói a sua casa na areia...

3.   Deus quer que a sua igreja seja irrepreensível. Alguns outros textos que mostram isso são: “como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em caridade,” (Efésios 1:4 RC) / “para que sejais irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis no meio duma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como astros no mundo;” (Filipenses 2:15 RC) / “Pelo que, amados, aguardando estas coisas, procurai que dele sejais achados imaculados e irrepreensíveis em paz” (2 Pedro 3:14 RC)

4.   No dia de Cristo a igreja será apresentada irrepreensível. Isso é garantido por Cristo em sua Palavra. Mas cabe à igreja buscar viver a vida de santidade já no presente.

 

CONCLUSÃO

 

1.   A igreja é de Deus.

2.   A igreja de Deus é composta por pessoas que devem se dedicar não ao pecado, e sim às “coisas santas do Senhor”.

3.   A igreja de Deus possui abundante riqueza, mas não deve se orgulhar disso como se lhe fosse algo natural, e não recebido de Deus. Também a igreja de Deus local não deve jamais se orgulhar por alguma virtude que ela tenha e que uma outra não tenha.

4.   Jesus trabalha na igreja e vai apresentá-la irrepreensível no dia final, mas a igreja precisa estar preocupada em ser uma igreja santificada já.

5.   A igreja é de Deus, e, por ser de Deus, deve viver em santidade.

6.   Vejamos, para encerrar, o que a Palavra de Deus nos diz em I Pedro 1.13-16: “Portanto, cingindo os lombos do vosso entendimento, sede sóbrios e esperai inteiramente na graça que se vos ofereceu na revelação de Jesus Cristo,  como filhos obedientes, não vos conformando com as concupiscências que antes havia em vossa ignorância;  mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver,  porquanto escrito está: Sede santos, porque eu sou santo.” (1 Pedro 1:13-16 RC)

 

 

Pr. Walmir Vigo Gonçalves

Muqui – Junho de 2014

 

011 - Apresentacao na igreja - 01 de Junho (8)